Biosul - Associação dos Produtores de Bioenergia do Mato Grosso do Sul Biosul - Associação dos Produtores de Bioenergia do Mato Grosso do Sul

Estados produtores assumem compromisso com setor sucroenergético

sexta, 06 de março de 2015 às 15h30
Os governadores dos estados maiores produtores do setor sucroenergético decidiram, em reunião nesta quinta-feira (5), em Goiânia (GO), apoiar com medidas coordenadas em seus estados às políticas públicas para garantir melhores condições para a produção de bioenergia.

“Esse setor é muito importante para o desenvolvimento do País e dos nossos Estados. É uma pauta proativa de um segmento importante. Eu não tenho dúvida que com essa organização, participação dos sindicatos, o setor que representa a produção de etanol, bioenergia, com os governadores, nós poderemos avançar no atendimento às demandas e fortalecer ainda mais esse setor em todo o País”, afirmou o governador Reinaldo Azambuja.

Entre as medidas que serão adotadas estão a reinclusão da indústria sucroenergética como contribuinte do Sistema Indústria; realização de leilões regionais, específicos e atrativos; introdução do setor entre as prioridades de desoneração do emprego; ampliação de políticas de incentivo à bioeletricidade; incentivo aos programas e projetos de melhoria de eficiência dos motores flex; e aberturas de linhas de crédito para pesquisa e inovação do setor.

Os estados produtores também decidiram apoiar o aumento da mistura de etanol anidro à gasolina e defendem a meta de 30% na proporção, incluindo políticas de incentivo aos veículos híbridos com a tecnologia flex. Eles querem ainda discutir políticas públicas com o Governo Federal para defender o setor econômico.

Com 22 usinas em operação, Mato Grosso do Sul é o quinto maior produtor de cana do País, produzindo 41,5 milhões de toneladas a cada safra, segundo a Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul (Biosul).

Participaram e assinaram a Carta de Goiânia, com os compromissos, os governadores Reinaldo Azambuja, Marconi Perillo (Goiás), Geraldo Alckmin (São Paulo), Beto Richa (Paraná), Pedro Taques (Mato Grosso) e Renan Calheiros Filho (Alagoas).

Fonte: Governo MS